Notícias de Tecnologia
Nosso presente é a melhor garantia do futuro

EDI ACADEMY – A origem do Intercâmbio Eletrônico de Dados

23/11/2015



O  Intercâmbio eletrônico de dados é uma das tecnologias mais empregadas internacionalmente no âmbito corporativo. Este sistema foi o responsável por marcar, como nenhuma outra tecnologia de intercâmbio de dados, um antes e um depois nas relações comerciais de múltiplos setores econômicos. Por isso, hoje se inaugura o EDI Academy, uma nova ação semanal com o objetivo de informar todos os fatores que circundam a utilização desta tecnologia.

Regresso ao Passado

Na primeira edição desta série, retrocedemos no tempo para conhecer as origens do intercâmbio eletrônico de dados. Porém, primeiramente, é importante conceituarmos o EDI. O EDI, trata-se de uma tecnologia que permite compartilhar informação e documentos comerciais entre empresas de forma telemática, padronizada e segura.

O EDI surgiu nos anos 60 com o objetivo de eliminar o papel e impulsionar a automatização dos processos comerciais. Torna-se importante levarmos em consideração que o intercâmbio de documentos em papel é lento, difícil de ser gestionado, grande capacitador de erros intrínsecos a este processo, requerendo muitas das vezes, grandes dimensionamentos de espaço para seu correto armazenamento. Não obstante dos pontos supracitados, é correto afirmar ainda que seus principais problemas estão relacionados com o alto custo desta operação e ausência de processos sustentáveis junto ao meio ambiente, em relação à utilização de papel na operação.

Na década de 60, com uma tecnologia ainda muito incipiente, existiam no mercado, uma grande variedade de processadores, sistemas operacionais e protocolos. Isto dificultava, o processo transacional entre as distintas empresas. Por conseguinte, já nos finais da década de 60, foi iniciado um grupo de trabalho nos Estados Unidos com vistas à criação de um padrão transacional de intercâmbio de informações.

As empresas da indústria automobilística, que se viam obrigadas a intercambiar uma grande quantidade de informação para que sua cadeia de abastecimento funcionasse com êxito, formaram o Comitê Coordenador dos Dados de Transporte (TDCC). Esta foi, a ação impulsionadora para que, em 1979, o Instituto Norte Americano de Normalização criasse o padrão de troca eletrônica de dados ANSI X12.

Oriundo da normativa norte americana, nos anos 80, se estabelece um novo marco na historia do EDI. Um grupo de trabalho das Nações Unidas, conhecido como Working Party 4, desenvolve um padrão internacional, convertido em um dos mais empregado atualmente no mercado, o Electronic Data Interchage for Administration, Commerce and Transport (EDIFACT).

Como era o EDI em seus primórdios?

No principio, nos anos 80, o intercâmbio eletrônico de dados se baseava em formulários e transações simplificadas. A estrutura dos dados que se empregavam eram muito elementais e a transmissão das mensagens, lenta. Podendo ser ressaltado que parte do processo se realizava de forma manual. Tudo isto, implicava no intercâmbio de pequenos volumes de documentos.

Como conclusão, podemos dizer que nas décadas mencionadas, o EDI, era um sistema de uso restringido e pouco versátil. Por outro lado, com o advento da internet, sua implantação se propagou rapidamente. A rede das redes converteu o intercâmbio de dados em uma tecnologia ágil e automática, que permitia às empresas, a comunicação em tempo real e à eliminação das gestões em papel.

 

Como está o EDI nos dias atuais?

Atualmente, o EDI vem sendo empregado em todos os tipos de setores, empresas e países. O caráter normalizado deste sistema dá a possibilidade de conectar de forma fluida com qualquer interlocutor e integrar as diversas mensagens intercambiadas habitualmente em uma relação comercial (ordens de compra, faturas, relatórios de inventários, avisos de expedição, etc.) no Sistema de Gestão (ERP). Ou seja, o EDI passou a substitui outros meios de comunicação tais como: o fax, correio postal e/ou e-mail.

De maneira conceitual, o funcionamento desta tecnologia é muito simples, sobretudo, nas grandes e médias empresas que desenvolvem procedimentos de integração onde, os documentos comerciais são gerados no ERP da empresa.

Já o software EDI, se integra com o ERP da empresa, reconhece o tipo de transação e seu respectivo destinatário. Automaticamente, a mensagem se “traduz” ao padrão requerido pela empresa destinatária (EDIFACT, ANSI X12, etc.) e a mesma é entregue através do método de comunicações pactado entre ambos tais como: (VAN Privada, AS2, OFTP, W. Services, FTPS, etc.).

No processo inverso, o software EDI se encarrega de transformar a mensagem recebida ao padrão exigido pelo ERP da empresa receptora, integrando a transação no ERP de forma automática, de maneira desassistida.  Todo o processo é realizado em questão de segundos de forma transparente ao usuário. Esta automatização permite incrementar a produtividade e uma eventual redução de custos

Não obstante disso, não se pode esquecer que, se algo converteu o EDI em uma tecnologia popular em todo o mundo, este algo com certeza está relacionado à sua acessibilidade em qualquer empresa, não importando seu porte ou grau de maturidade tecnológica. Nas relações comerciais atuais, para cada grande empresa que conta com um importante desenvolvimento tecnológico, por detrás de sua rede de negócios, nos deparamos com diversas empresas de pequeno e médio porte que possuem relacionamento com estas grandes corporações. Para o atendimento deste nicho em crescente expansão, graças à expansão dos serviços IT prestado na nuvem, existem no mercado, soluções WEB EDI, de fácil uso com custos reduzidos. Para o acesso as mesmas, as empresas simplesmente necessitam de um computador com acesso à internet para que o intercâmbio de dados de pedidos, faturas, avisos de expedição, ou qualquer documento com seus partners seja efetivado.

Mais detalhes sobre o Intercâmbio Eletrônico de Dados e suas ferramentas

EDI Academy

É uma iniciativa de caráter informativo da EDICOM dirigida aos profissionais que desejam ampliar informações sobre a tecnologia para o Intercâmbio Eletrônico de Dados. Por meio de varias edições semanais, será repassado à origem do EDI sua evolução e aplicação nos diversos setores econômicos. No caso de qualquer dúvida, nossa equipe de consultores esta à disposição em lhe assessora em todo o relativo à tecnologia EDI.

Gostaria de mais informações?


Solicite-as

Tags

Cloud Computing B2B Cloud Platform EDI ASP-SaaS e-Invoicing GDSN VMI VAN OFTP2 AS2 Certification Authority Digital Signature Outsourcing SLA Software EDICOM Events SaaS-ASP Corporate Information GS1 CFDI PAC APP Associated Data Sync partners EDICOM Retail public administrations Acreditations Web Portal EDI NF-e einvoicing Partner Web Portal SAP EDI Health Edicomdata ediwin CRP EBI B2B EDICOMNet edi logistics SAFT-PT business@mail CT-e NFS-e TSD epayrolls factura electronica edi automotive comprobante de pago CAE DTE e-awb nfc-e comprobante fiscal electronico compliance xml-cargo edicom air iata e-cargo facturación electrónica IVA AFIP Cargo-XML EDICOMAir SUNAT Perú EDI Auto b2g datapool panama PCRDD edi academy sat paperless mmog OFTP EDI Web carrefour boleto financeiro Brasil boleto financeiro não registrado boleto registrado colombia factoring X12 DIAN México DESADV ASN Costa Rica Nexxera interoperabilidad Cancelación Brazil redes supermercadistas centros de compras no Brasil european union emisión electrónica global einvoicing factura electrónica ecuador VAT compliance aviso de expedición Advanced Shipped Notice Despatch Advice data synchronization SEFAZ fatura eletrônica Nota Fiscal Eletrônica tendencias interoperability interconexión SINTEL Brasil interoperabilidade e-procurement trends digitization digital transformation SaaS MMOG/LE latam cybersecurity EDI financeiro white paper factura electrónica colombia fintech ebimap SME EDICOMLta e-commerce EDI financiero fattura b2b B2B e-Invoicing GDPR portugal blockchain

Siga-nos

  • linkedin
  • rss